Ambliopia
Ambliopia

Ambliopia

 

O que é Ambliopia?
Ambliopia é a diminuição da acuidade visual em um ou nos dois olhos, alterando a capacidade de identificar a forma e o contorno dos objetos, além da habilidade para distinguir os detalhes espaciais.

A visão se desenvolve a partir do nascimento e se estende até os sete anos. Esse é denominado de “período de desenvolvimento visual”. Quanto mais nova for a criança, maior a chance de recuperação da visão. Após os sete anos de idade, a chance de sucesso no tratamento diminui acentuadamente.

O olho amblíope apresenta visão inferior ao olho normal em pelo menos duas linhas na tabela utilizada para medir a acuidade visual. Como existe baixa funcionalidade do olho, a doença é popularmente conhecida como “olho preguiçoso”.

É comum, na infância, a criança apresentar Ambliopia e os adultos não perceberem o problema. Isso porque um dos olhos pode apresentar perfeito desenvolvimento e o outro não. Assim, o olho melhor compensa o menos eficiente. Essa doença também pode ocorrer nos dois olhos, sendo a acuidade visual inferior ao normal em ambos. Muitas vezes é o professor que percebe a dificuldade visual da criança.

Tipos de Ambliopia
A Ambliopia pode variar de leve a severa, sendo geralmente unilateral. Quando grave, essa anormalidade é uma das causas mais frequentes de perda visual monocular durante a infância e em adultos jovens.

Os tipos de Ambliopia estão relacionados às suas causas e níveis de comprometimento. São eles: ambliopia por estrabismo, quando há desvio entre os dois eixos visuais; ambliopia por ametropia é quando ocorre o impedimento da formação de uma imagem nítida, devido a erros refracionais significativos e não corrigidos; ambliopia por anisometropia, quando há diferença na correção óptica entre os dois olhos, de aproximadamente 2.0 dioptrias, seja por miopia, hipermetropia ou astigmatismo; ambliopia por privação (ou “ex-anopsia”) que ocorre devido à existência de uma barreira da chegada da luz à retina em toda a sua intensidade, impedindo a formação de uma imagem definida. As causas podem ser leucoma corneano, catarata congênita, ptose palpebral, opacidades vítreas, dentre outras.

Causas
As alterações relacionadas com a Ambliopia estão situadas no nível das áreas cerebrais relacionadas à visão, sendo um fenômeno cortical, local onde ocorre o processamento neuronal. Para que essas áreas se desenvolvam corretamente é imprescindível que a informação visual que chega ao córtex nos primeiros anos de vida seja de boa qualidade. Portanto, a doença é causada por alguma coisa que atrapalha a travessia da luz até a retina, sendo esse um tecido muito sensível à luz.

A retina capta a luz que é transformada em imagem no cérebro. Se essa imagem se forma de maneira incorreta na retina, o cérebro não capta com toda a precisão. Cada um dos olhos envia uma imagem para o cérebro, que as junta formando uma só imagem. Já quando cada olho está fixado num ponto, o cérebro recebe duas imagens diferentes e não consegue fundi-las. Como defesa, elimina a imagem que vem do olho desviado. A supressão desse olho faz com que não haja desenvolvimento visual, ficando mais fraco.

Diagnóstico
Recomenda-se que as crianças sejam examinadas por um oftalmologista antes dos três anos de idade. O pediatra deve encaminhar a criança para um especialista antes deste período caso identifique algum sinal de alteração ocular. Se existir histórico familiar de estrabismo, catarata congênita ou outra doença ocular da infância, o oftalmologista deverá examinar a criança mais precocemente.

“Recomenda-se que as crianças sejam examinadas por um oftalmologista antes dos três anos de idade”.

Tratamento
O tratamento mais conhecido é a oclusão do olho de melhor visão, forçando o cérebro a usar o olho fraco para estimulá-lo. Isso só é possível ao tampar o olho normal. Algumas vezes, é necessário tampar ambos os olhos alternadamente. O tempo de oclusão irá variar com a idade do paciente e intensidade do problema.

Leia mais:
Oftalmologia pediátrica